BRRRRRRRRRRR

 

          Três horas da manhã, ou alguma coisa perto disso. Acordo com frio. Os dois cobertores e o pijaminha de flanela, igualzinho da vovó, não estão resolvendo. Tenho uma preguiça enorme de levantar para pegar outro cobertor. Por que não deixei no pé da cama, ao lado da cama ou em qualquer lugar a não mais de um metro da cama? Há décadas me faço a mesma pergunta em alguma noite durante o inverno e, há décadas, a resposta é sempre a mesma. Porque não.

        Sempre acho que estou suficientemente agasalhada para descobrir, de madrugada, que errei de novo. Meus pés parecem dois blocos de gelo e meus ombros doem de tão contraídos. Nessas horas, detesto o inverno, detesto o frio e faço planos de morar no nordeste. Enquanto me preparo psicologicamente para buscar o cobertor que está a anos luz de distância, me pergunto pra que existe frio. A chuva, ok. Precisamos da santa água pra viver, mas frio? Quem precisa desse incômodo? 

          Depois de uma noite mal dormida, tomo um leite pelante(não adianta procurar no dicionário, não existe. Acho que a palavra foi inventada por minha mãe) e me sento na frente do computador. Vou fazer a pesquisa.

          Sabe pra que serve o frio?

       Os românticos dirão que é pra dormir juntinho, as pollyannas que é pra tomar chocolate quente vendo um filme na seção da tarde, os elegantes de plantão para usar seus casacos maravilhosos, os gaúchos para tomar chimarrão sem parecer esquisito como no verão, os fatalistas porque é assim e pronto.

         Eu digo: pra nada.

        O frio só serve mesmo para a gente valorizar o calor. Enquanto o inverno se instala em minhas entranhas, eu sonho com um vestido de alcinha, um sorvete na praça e um longo banho de mar.

     Entretanto, para parecer que não sou chata, coloco dois cobertores estrategicamente embaixo da cama, visto um casaco digno do polo norte e saio à rua para tomar um delicioso vinho com os amigos. E, quando alguém reclama do frio, imito um monte de gente que eu conheço e, na maior cara de pau, olho de forma reprovadora e enumero todas as vantagens dessa estação tão calorosa.

          E o pior: ela nem começou!!

 

                                                           São Paulo, 12/06/2018