SOCIALITE

 

          Uma mulher estranha, que se autodenomina “socialite”, resolveu usar as redes sociais para agredir crianças.

       Então vamos por partes. "Socialite" significa exatamente o quê? Alguém que vive da aparência, vai a festas e posta selfies com famosos? É isso? Como alguém em pleno século XXI não tem vergonha de não ser nada? Porque é exatamente isso. Aparência não é real, a própria palavra explica “aparenta”, mas não é.  Não é nada.

         Trabalho, estudo, fazer a diferença para o bem na vida das pessoas... será que uma “socialite” é capaz de entender algo tão simples? Acho que não. Mesmo porque ela diz que fez curso de artes em uma escola famosa e um site de notícias descobriu que a tal “socialite” nem acabou o supletivo.

          Ok. Burrices de lado, vamos à segunda parte.

         Por que alguém usa a rede social para ofender uma criança só porque ela é negra? Ou então outra criança porque ela não é bonita? O que faz uma pessoa agir assim? Só concluo que deva ser uma forma desesperada de tentar aparecer, já que o alvo predileto são os filhos de pessoas famosas. A velha máxima “falem bem ou falem mal, mas falem de mim” que se encaixa perfeitamente em quem só vive de aparência.

     Terceira parte: provavelmente, quem não estuda, não lê jornal, não trabalha, não deve saber também que ofender alguém por causa da cor da pele é crime. Racismo é crime. E como todo crime tem uma penalidade, no caso, de um a três anos de prisão. Não seria encantador o tanto de selfies que essa pessoa poderia bater na prisão? Espero que deixem entrar câmera comum em um presídio já que celular, supostamente, é proibido. Poderíamos até fazer um pedido especial ao juiz se for proibido!!

          A prisão seria, além de uma pena pra lá de justa para quem faz algo tão abominável como agredir um menor que não tem como se defender, também uma excelente oportunidade para esse ser desprezível aprender alguma coisa. Eu seria a primeira boa samaritana a mandar livros todos os meses para a cadeia. Quem sabe? Minha mãe sempre dizia que água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Um cérebro deve ser um pouquinho mais mole do que uma pedra.

            O nome da pessoa? Claro que eu não vou escrever. É exatamente isso que pessoas assim desejam. E, se por acaso, alguém mais se encaixar no perfil acima, que triste que a carapuça serviu em mais gente. Significa que ainda temos muito a avançar.

            No fim, eu me enganei. Não são três partes, tudo se resume a apenas uma: mediocridade.

                                                                                São Paulo, 28/11/2017