TEMPEROS DA VIDA

- A mulher está bem azeda hoje. Acho que dormiu descoberta.

- Eu acho seu filho um doce. Nem se parece com você

- A história teve um desfecho amargo.

         E assim vamos temperando as pessoas, as coisas e as situações. Tempero e temperamento vêm da mesma palavra temperare que quer dizer misturar corretamente, mas a língua caminha, dá pirueta, vira de ponta-cabeça e aquela origem que remetia justamente ao equilíbrio entre sabores, desaparece completamente quando usamos um gosto para definir algo ou alguém que não seja alimento.

          Um temperamento doce, amargo ou azedo não é equilibrado. A balança pende mais para um lado do que para o outro. Entretanto, dizer que algo ou alguém é amargo é uma definição perfeita porque não há quem não conheça esse sabor ruim que já passou por nossa boca algum dia. Claro que deve ter gente que gosta de amargo. Há gosto pra tudo e espírito de porco em qualquer lugar. Mas vamos ficar apenas em gente normal.

          Para mim, o pior de tudo é aguentar gente sem sal. Fico olhando, louca para saber quem esqueceu de colocar um condimento naquele ser. Não estou nem pedindo manjerona, açafrão ou tomilho, mas sem um salzinho não dá pra suportar. E o mais triste é que não faltam insossos por aí, loucos para agarrar um cheiro verde.

          Escolher a especiaria certa no livro de receita, desde criancinha, faz toda diferença. Tanto para quem cozinha como para quem come. Às vezes, é preciso fazer uma boa salada, misturar tudo e encontrar um agridoce, uma temperança para poder seguir em frente sem jogar a panela pro alto ou deixar a pressão explodir. Não há problema. Há receitas para muitos paladares diferentes, o que não pode é salpicar pimenta em mingau, principalmente, se for mingau dos outros.

          Tem gente que é gulosa e quer comer a vida de uma vez, até pelando o que é mais arriscado. Calma! Não cometa nenhum destempero! O mais prudente é ir azeitando devagar. Caldo de galinha e banho-maria nunca fizeram mal a ninguém. A experiência ensina, por mais que cause estranheza, que todo bolo doce leva uma colherzinha de sal. E, óbvio, um bom fermento!

          Enfim, um conselho de chefe: dose bem o tempero. Muito sal provoca pressão alta, muito doce enjoa e muita pimenta arde.

        Achou a crônica saborosa? Eu sei, ficou ao ponto. Uma delícia! Cozinho bem, bem longe do fogão.

 

                                                                   São Paulo, 07/08/2018