DISCURSO DA SERVIDÃO VOLUNTÁRIA

          Um texto bastante antigo, mas que vem sendo bastante comentado atualmente, é o Discurso da Servidão Voluntária, escrito pelo francês Étienne de La Boétie, no século XVI, por volta de 1546 e 1555, quando o autor tinha apenas 18 anos.

          Étienne morreu cedo, aos 30 anos, e deixou todos os seus escritos com seu grande amigo, Michel de Montaigne, e vai ser esse amigo que vai mandar imprimir os textos de Étienne.

          O Discurso da Servidão voluntária é um texto pequeno, de apenas 40 páginas, mas que tem uma mensagem poderosa, que está no seu próprio título que é mostrar que a servidão da população a um governante, mesmo se ele for um tirano, não é obrigatória, mas voluntária. Pode parecer estranho, mas se pararmos para raciocinar, como Etienne, milhões de pessoas têm muito mais força, podem muito mais do que um governante que é uma única pessoa, assim se os milhões quisessem, poderiam se juntar e derrubar um governante, e se não o fazemos significa que servimos a esse governante voluntariamente. Desta forma, se os indivíduos simplesmente se unissem e se recusassem a seguir o que o governante ordena, houvesse a desobediência civil, a tirania, seja ela qual fosse, acabaria.

       Etienne dizia que os homens servem voluntariamente porque nascem servos e são educados como tais. Assim, outra ideia que é muito importante no texto é que são os livros e a educação que dão aos homens, mais do que qualquer coisa, o conhecimento e o bom-senso para perceberem a tirania e poderem ir contra ela. Por isso que governos autoritários não gostam de livros e nem estimulam a educação e cultura de seu povo. Quanto mais ignorante o povo permanecer, mais tempo eles ficarão no poder.

           Outra estratégia, afirma Etienne, é distrair o povo com passatempos. Ele conta que Ciro II, o grande, fundador do Império Persa, tomou a cidade de Sardes, principal cidade da Lídia, e um dia foi avisado que os habitantes de Sardes haviam se revoltado e sem querer usar o seu exército, utilizou outra estratégia. Estabeleceu em Sardes vários bordéis, tavernas e jogos públicos e fez com que toda a gente pobre e miserável se divertisse inventando todo tipo de jogo. Daí que vem a palavra latina ludi, como se quisessem dizer lidi, oriundo de Lídia. Daí também a origem da palavra lúdico que é relativo a jogo, a divertimento. São jogos, espetáculos, passatempos ou qualquer tipo de agrado para entorpecer os súditos para que não se rebelem.

          Como é um texto antigo, ele já caiu em domínio público e pode ser encontrado na internet em português e também no original, em francês. Como já dito antes, é um texto pequeno, mas que vale a pena a leitura porque, apesar de ter sido escrito há vários séculos, ainda continua muito atual, como continua sendo muito indigno qualquer povo ser submetido a qualquer espécie de tirania.

Vídeo-resenha: https://www.youtube.com/watch?v=mGCxk8OZhiw&t

FICHA TÉCNICA

Título Original – Discours de la Servitude Volontaire

Edição Original –  1576

Edição utilizada nessa resenha – 2017

Editora Martin Claret - São Paulo

Número de Páginas – 58