LIVRO DO DESASSOSSEGO

          O Livro do Desassossego do genial escritor português, Fernando Pessoa, é um dos livros que eu mais gosto. E, frequentemente, as pessoas me perguntam o que eu gosto tanto nesse livro? Eu respondo que é justamente a falta de compromisso em ser um livro. Parece absurdo, mas eu explico. Quando pensamos em um livro pensamos em algum ordenamento lógico. Um romance, um livro de contos, um livro de poemas... mas o Livro do Desassossego é composto simplesmente de textos esparsos que, às vezes, conversam entre si, e em outras vezes, não.

         Quem escreve sabe que muitas vezes colocamos no papel ou na tela do computador apenas um pensamento ou apenas um sentimento. Não pretendemos continuar ou estender aquele texto. Ele é quase como um desabafo de vida curta. Pois Fernando Pessoa, a meu ver, conseguiu o feito de reunir todos esses desabafos que deram origem a um de seus melhores livros, o Livro do Desassossego,  que foi organizado e publicado postumamente.

         Infelizmente, Fernando Pessoa não deixou o livro pronto para ser publicado. Quando o escritor morreu descobriu-se seu famoso baú com mais de 30 mil páginas escritas à mão ou datilografadas, mas não havia um Livro do Desassossego pronto, pelo menos não com esse título. Então, como estudiosos de Fernando Pessoa sabiam que o escritor já tinha se referido algumas vezes a um tal livro do desassossego, o qual ele estava escrevendo há muito tempo, resolveram organizá-lo. Era um trabalho de praticamente toda a vida de Pessoa.

          A primeira edição foi publicada em 1985 e é o resultado de anos de pesquisa,  já que o escritor havia falecido em 1935, décadas antes.

          A escrita do volume foi atribuída a Bernardo Soares, que Fernando Pessoa não considerava como apenas um heterônimo, era um semi-heterônimo, porque de todos os personagens com vida própria que o escritor criou, esse é o que mais se parecia com ele. Bernardo Soares  era ajudante de guarda-livros em Lisboa e nos aparece como um Fernando Pessoa mutilado. Entretanto, a primeira parte do Livro do Desassossego não foi escrita por Bernardo Soares, mas é atribuída a um outro heterônimo pouco conhecido, chamado Vicente Guedes. Há alguns pesquisadores, inclusive, que atribuem ainda uma outra pequena parte a um terceiro heterônimo chamado Barão de Teive.

         É importante ressaltar que há 16 edições diferentes da obra só em Portugal. Já que são muitos pesquisadores fazendo aquela que consideram a melhor organização para o livro, e esses pesquisadores nem sempre concordam.

        A minha edição tem a introdução de Richard Zenith, um pesquisador, escritor e tradutor norte-americano que mudou-se para Portugal, e é um dos grandes especialistas sobre a vida e a obra do escritor português. Essa introdução nos auxilia a entender melhor o Livro do Desassossego e, por isso mesmo, bastante recomendável que se leia antes.

       A obra teria nascido antes de outro livro de prosa chamado Na Floresta do Alheamento, no qual Pessoa dizia que esse livro era fruto do Livro do Desassossego em preparação. Então, já se sabia que Fernando Pessoa estava preparando esse livro.

         Ele é composto por 480 pequenos trechos em prosa, depois mais algumas páginas com aqueles que são considerados Grandes Trechos, ou seja, trechos mais desenvolvidos, um pouco mais longos e que o próprio Pessoa escreveu estar em dúvida se devia ou não incluir no Livro do Desassossego.  Por fim, essa edição ainda traz um apêndice em que Richard Zenith reuniu escritos de Pessoa, nos quais se refere ao heterônimo ou personagem Vicente Guedes e ainda outros fragmentos que não tinham sido até então incorporados ao Livro de Desassossego.

        Desta forma, é possível compreender um pouco as origens do Livro do Desassossego, mas passando à sua análise propriamente dita, eu diria que é um Pessoa nu, mais nu até mesmo do que nos poemas e talvez surpreendido em inúmeros momentos da vida em que se analisou frente às pequenas e às grandes coisas. A ideia era que a obra tivesse a forma de um diário. E, como em um diário, o tempo todo ele estivesse descrevendo e analisando suas sensações, sua emoções. Aliás, ele diz isso em um dos trechos:

“A análise constante das nossas sensações cria um modo novo de sentir que parece artificial a quem analise só com a inteligência, que não com a própria sensação.”

E ainda continua: Ter emoções de chita, ou de seda, ou de brocado! Ter emoções descritíveis.

Ou seja, todo tipo de emoção, das mais simples às mais complexas.

Em uma carta a um amigo, Pessoa diz: “ O meu estado de espírito obriga-me agora a trabalhar bastante, sem querer, no Livro do Desassossego. Mas tudo fragmentos, fragmentos, fragmentos.” Ainda dizia que só conseguia escrever coisas pequenas, quebradas. E essa vai ser a estrutura do livro.

         O livro também traz um prefácio assinado pelo próprio Pessoa em que ele conta que conheceu um homem em um restaurante. Diz que o homem era alto, magro e que aparentava ter uns trinta anos e que como esse homem também escrevia, incumbiu Pessoa de publicar seu livro. Este homem seria Vicente Guedes.

        A parte seguinte seria o livro que o homem escreveu chamada de Autobiografia sem Factos. É atribuída a Vicente Guedes, pelo menos a primeira parte da autobiografia, já que a seguinte é atribuída a Bernardo Soares. Daí a confusão. Alguns críticos consideram Vicente Guedes como um outro heterônimo, enquanto outros críticos sustentam que é apenas um personagem criado por Bernardo Soares. O fato é que talvez toda essa confusão seja proposital, já que todos são Fernando Pessoa em suas muitas facetas, e se recusando a se definir em apenas um.

         O que se deve fazer é ler o livro sem se preocupar com nada disso. Ler com prazer, como descobrindo junto com Pessoa tantos sentimentos, tantas sensações que todos nós temos e que Fernando Pessoa com maestria conseguiu traduzir em palavras. É um livro sensível que fala das inquietudes, das aflições da alma. É um livro para ler devagar, para nos ajudar a refletir sobre a vida e sobre o nosso sentir. E enfrentar sem medo tudo que nos leva ao desassossego.